O QUE FAZER DURANTE A CONTRAÇÃO?

Não existe uma fórmula única que favoreça a todas as mulheres durante o parto. Todo trabalho corporal desenvolvido na gravidez ajuda a parturiente a discriminar o que precisa neste momento de passagem. É importante que o acompanhante tenha a liberdade e a sensibilidade para sugerir procedimentos de ajuda. Algumas mulheres se sentem aliviadas com palavras que orientam a sua postura e o seu relaxamento; outras precisam de um toque firme e aconchegante e a maioria agradece quando recebe uma boa massagem. Algumas mulheres preferem não ser tocadas.

RESPIRE: é sempre bom ouvir o som da própria respiração, a consciência do ritmo respiratório ajude a manter o seu controle. Em alguns momentos a mulher pode “esquecer-se” de respirar convém lembrá-la da necessidade de respirar, seja verbalmente, seja corporalmente, convidando-a a respirar. Manter o ritmo respiratório aprofunda a consciência do corpo e do trabalho de parto.

- As contrações vêm como ondas de pressão, em intervalos regulares e de maneira “ondulada” e rítmica. No início de uma “onda de pressão”, ou contração, a gestante deve inspirar lenta e profundamente, sentindo as costelas se afastarem, a fim de levar oxigênio ao bebê.
- Quando a intensidade da contração aumenta, a respiração torna-se mais rápida, leve e superficial.
- Quando a contração estiver indo embora a respiração torna-se mais lenta, finalizando com uma inspiração profunda para levar oxigênio para o bebê.
- Durante as contrações diminui o aporte de oxigênio para o bebê. Uma respiração lenta e profunda no início e no final de cada contração ajuda o bebê a superar a queda momentânea de oxigenação.
- A respiração leve e superficial é válida durante as contrações.
- No intervalo entre as contrações a mulher deve respirar normalmente para se recuperar e preparar-se para a próxima.

MUDE DE POSIÇÃO: é importante que a mulher experimente ao longo do trabalho de parto, e a cada contração, a posição mais confortável.

TOQUES E MASSAGENS: durante o trabalho de parto a maioria das mulheres tenciona alguma parte do corpo: os ombros, os maxilares, as mãos, a testa ou mesmo os pés. O acompanhante pode ajudá-la a entrar em contato com as áreas de maior tensão, verbalmente ou através de uma massagem lenta.
Durante as contrações algumas mulheres sentem uma irradiação dolorosa no “pé da barriga”, outras na região lombossacra, e muitas nas duas regiões simultaneamente. É um momento em que a interação do casal é fundamental. Ambos precisam ter a liberdade para experimentar soluções corporais criadas a dois, seja no que diz respeito à posição, ao ritmo das mãos ou à profundidade do toque.

O QUE FAZER NO INTERVALO DAS CONTRAÇÕES?
- Terminada uma contração inspire e expire lenta e profundamente.
- Entre uma contração e a outra, o útero relaxa, e o corpo da mulher precisa descansar para ter energia para a próxima.
- É um momento em que não há desconforto físico por isto é importante uma respiração normal juntamente com uma posição confortável.